Seminário Internacional promove sessão interativa sobre desenvolvimento da América Latina
03/09/15 - O impacto da crise econômica mundial nos países latino-americanos foi discutido, nesta quinta-feira (3), na sessão interativa Desafios para o Desenvolvimento da América Latina, que reuniu representantes de órgãos do governo brasileiro e do Instituto Latino-americano e do Caribe de Planejamento Econômico e Social (Ilpes), da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal). A sessão faz parte da programação do Seminário Internacional Papel do Estado no Século XXI: desafios para a gestão pública, que acontece em Brasília.

Em sua fala, Jorge Mattar, diretor do Ilpes/Cepal, discorreu sobre a nova agenda de desenvolvimento sustentável para 2030, que será adotada por Estados-membros da Organização das Nações Unidas (ONU) em setembro. “Hoje, há 17 objetivos de desenvolvimento sustentável. É uma agenda completa, inclusive com metas de crescimento econômico”, disse. Ele destacou que a adoção da agenda será uma ocasião propícia para o desenvolvimento da América Latina. “Temos lições aprendidas em relação à implementação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio”. Segundo Mattar, o Brasil é uma referência em políticas públicas para muitos países da região.

Para o assessor da Diretoria de Planejamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Francisco Eduardo Pires de Souza, passados sete anos desde o início da crise econômica, há muitos prognósticos e incertezas. “Estamos vivendo um novo mundo, mais hostil, mais incerto, e essa realidade traz muitos desafios para a América Latina e especialmente para o Brasil”, disse Souza. “Cada país latino-americano vai ter que dar a sua resposta diante do atual contexto internacional.” Ele afirmou ainda que, se um novo modelo econômico for construído, há uma chance de retomar um período de crescimento e prosperidade mais adiante.

Diogo de Sant’ana, chefe da Assessoria Especial da Casa Civil da Presidência da República, lembrou em sua fala, que até os anos 2000 a América Latina era marcada por regimes ditatoriais, sequências de crises econômicas, baixo desenvolvimento humano e altíssima concentração de renda. Segundo Sant’ana, as mudanças positivas pelas quais a região passou tiveram participação decisiva do Estado, através da ampliação das políticas sociais, abertura à participação de vozes excluídas e reversão de benefícios econômicos para os mais pobres. “Construir uma democracia passa por permitir que vozes, até então excluídas, passem a ser ouvidas”, afirmou.

Clique aqui para acessar a apresentação do diretor do Ilpes/Cepal, Jorge Mattar (Português).

Clique aqui para acessar a apresentação do diretor do Ilpes/Cepal, Jorge Mattar (Espanhol).

Clique aqui para acessar a apresentação do assessor da Diretoria de Planejamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Francisco Eduardo Pires de Souza (Português).

Clique aqui para acessar a apresentação do chefe da Assessoria Especial da Casa Civil da Presidência da República, Diogo de Sant’ana (Português).



Confira as fotos da sessão interativa 2 (favor utilizar Mozilla Firefox ou Google Chrome):